Folha de S.Paulo - Mundo - Calcinha 'antiestupro' causa polêmica nos Estados Unidos - 10/11/2013

Calcinha 'antiestupro' causa polêmica nos Estados Unidos

PUBLICIDADE

JOANA CUNHA
DE NOVA YORK

Ouvir o texto
O projeto de um novo produto desenvolvido com a pretensão de impedir estupros levantou, nas últimas semanas, milhares de dólares em doações e gerou polêmica entre feministas nos EUA.
Trata-se de uma calcinha. O protótipo da peça, feita de um tecido altamente resistente, cuja trama não pode ser rompida por lâminas e tesouras, inclui uma espécie de cadeado acoplado à cintura.
A roupa íntima dispensa chaves, mas só pode ser retirada do corpo pela própria usuária, por meio de um segredo que precisa ser memorizado. Se a dona esquecê-lo, pode ficar em apuros quando precisar ir ao banheiro.
A linha inclui itens de vestuário esportivo e modelos com design que lembra calcinhas comuns. A ideia é dificultar o crime e dar mais tempo para a chegada de socorro.
Chamado de AR Wear (as iniciais são para 'antiestupro' em inglês), o protótipo foi apresentado no Indiegogo, site que lista negócios empreendedores em busca de financiamento coletivo.
Já levantou mais de US$ 40 mil (R$ 92 mil) e dezenas de críticas de feministas na mídia local.
Segundo os idealizadores, os recursos serão investidos em produção e tecnologia. Os primeiros modelos devem ficar prontos em julho.
O texto de apresentação do projeto diz que a peça transmite ao estuprador a "mensagem clara de que a mulher não está consentindo". Mas esse conceito desagradou a feministas, que afirmam que os fundadores da ideia "sugerem que a mulher é parcialmente responsável, por não recusar o ato com clareza".
"Estupradores sabem o que não é consentido. O homem não é burro a ponto de não entender quando a mulher não quer", afirmou a feminista Louise Pennington em artigo no "Huffington Post".
A AR Wear responde que não pretende atribuir à mulher a responsabilidade de evitar o crime. "O único responsável pelo estupro é o estuprador. O produto só oferece mais uma ferramenta de defesa."
O item é recomendado em situações como festas, em que a mulher pode se tornar vulnerável por embriaguez, e viagens a países desconhecidos.
Evitando emitir sugestões sobre como a vítima deve proceder se o agressor estiver armado, a AR Wear diz estar ciente de que sua ideia não será capaz de atingir uma solução universal para o problema.
Divulgação
Modelos vestem calcinha 'antiestupro', feito de malha resistente a tesouras
Modelos vestem calcinha 'antiestupro', feito de malha resistente a tesouras

Postagens mais visitadas deste blog

Professora gostosa foi expulsa da escola por deixar alunos excitados.

Os Botões de Napoleão: as 17 moléculas que mudaram a história