Portal A TARDE - Mais de 40 mil adolescentes foram pais em 2012 na Bahia

Mais de 40 mil adolescentes foram pais em 2012 na Bahia

Fabiana Mascarenhas
  • Arquivo pessoal
    Victoria Alda engravidou de Lara aos 12 anos
Quando Victoria Alda e Vinicius Oliveira descobriram que estavam à espera de um bebê, ela tinha apenas 12 anos; ele 16. Nenhum dos dois sabia o que era sustentar e cuidar de uma criança. Muito menos o quanto esse filho mudaria as suas vidas.
A solução inicial pensada por eles -  que namoravam  há um ano e meio quando se descobriram  grávidos -, seria a mesma adotada por muitos outros adolescentes que passam por situação semelhante: o aborto.
O apoio da família de Victoria, no entanto, foi fundamental para que ambos desistissem da ideia. Graças e eles, a pequena Lara veio ao mundo e hoje está com 2 anos e 4 meses.
"Ficamos desesperados, mas minha família me deu total apoio. Minha mãe disse que muito pior seria se fosse uma doença", diz Victoria, hoje com 15 anos.
Casos como o do casal não são incomuns. De acordo com dados da Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (Sesab), somente no estado, 40.350 adolescentes com idades entre 10 e 19 anos tiveram o primeiro filho em 2012. Os dados se referem apenas a crianças nascidas vivas.
E, embora os dados ainda sejam expressivos, estados e municípios brasileiros vêm registrando uma queda do número de casos de gravidez na adolescência. Na Bahia, por exemplo, o percentual de adolescentes grávidas reduziu de 46.611, em 2011, para 40.350, em 2012.
No Brasil, de acordo com levantamento do Ministério da Saúde, o número de mulheres grávidas nesta faixa etária passou de 673.045, em 2003; para 561.088, em 2011.
Segundo o órgão, a redução está diretamente associada à ampliação do acesso a métodos contraceptivos na rede pública e nas drogarias conveniadas do programa Aqui Tem Farmácia Popular, assim como ao fortalecimento das ações de prevenção e planejamento familiar.
Mas, para a psicóloga que integra a área técnica de saúde do adolescente e do jovem da Secretaria Estadual de Saúde do Estado da Bahia (Sesab), Ana Paula Torres, é preciso fazer mais. "Houve uma leve queda nos últimos anos, mas ainda temos problemas", reconhece.
Um deles é que a média de incidência na Bahia de mães com faixa etária entre 10 e 19 anos (com filhos nascidos vivos) é de 21,37%, ficando acima da média nacional, que é de 19,31%.
Um outro problema é que, embora os resultados sejam positivos em boa parte dos municípios baianos, em outros a situação ainda é bastante preocupante.
Em alguns deles, a média de mães adolescentes ultrapassa os 35%. É o caso das cidades situadas no extremo sul da Bahia, região do estado que apresenta a maior proporção de mães entre 10 e 19 anos, a exemplo de Aurelino Leal (40,50%), Arataca (39,04%) e Itaju da Colônia (36,92%). Em Salvador, o percentual é de 15,44%.
Segundo a epidemiologista Greice Menezes, pesquisadora do Programa de Estudos em Gênero e Saúde (Musa) do Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia (ISC/Ufba), a gravidez na adolescência é um fenômeno heterogêneo e se apresenta de maneira muito distinta em algumas regiões.
Fatores
"O número de casos está diretamente associado a fatores como classe social, raça, nível de assistência e acesso à saúde, além de padrões sociais e culturais. E esses fatores se diferenciam de acordo com cada município", diz a profissional.
A psicóloga da Sesab Ana Paula Torres afirma que questões sociais e culturais podem influenciar diretamente no número de casos.
"Nas regiões mais carentes, o trabalho de conscientização junto aos pais e adolescentes se torna mais difícil. Em muitos lugares, falar de sexo na escola ou com o médico ainda é um tabu, embora muitas jovens e rapazes iniciem a vida sexual cedo", reflete.
Segundo ela, em alguns municípios, por exemplo, os pais não aprovaram a caderneta de saúde do adolescente, distribuída pelo Ministério da Saúde, que contém informações sobre menstruação, estágios do desenvolvimento da mama e pelos pubianos, vacinas, além de orientações sobre como se proteger durante a relação sexual.
"Muitos pais acham  que a caderneta vai estimular os jovens ao sexo e o objetivo é apenas orientá-los para evitar uma gravidez precoce ou até mesmo um aborto no futuro", diz Ana Paula.

Postagens mais visitadas deste blog

Professora gostosa foi expulsa da escola por deixar alunos excitados.

Os Botões de Napoleão: as 17 moléculas que mudaram a história