Portal A TARDE - Alterações na flora vaginal favorecem a candidíase


Seg , 07/10/2013 às 07:00 | Atualizado em: 07/10/2013 às 10:56

Alterações na flora vaginal favorecem a candidíase

Joyce Rouvier | Equipe Nutrição & Boa Forma | Agência Estado
  • Divulgação
    Alterações nos tratos reprodutivo e urinário feminino podem causar infecções por fungos
A flora vaginal é repleta de microorganismos que contribuem para a sua saúde. Entre eles os lactobacillus, os quais produzem ácido lático protegendo a vagina contra micróbios oportunistas no trato gastrointestinal e conservando um ph mais ácido. Além disso, produzem bacteriocinas capazes de inibir a adesão de microorganismos patogênicos às células epiteliais da vagina. Entretanto alguns fatores, como uso de antibióticos que podem alterar a microbiota normal desse local, propicia o desenvolvimento de vaginoses.
Essa alteração pode provocar por exemplo um aumento de leveduras (fungos) como a Candida albicans, que já habita naturalmente a vagina. Essa infecção é conhecida por candidíase e pode afetar tanto homens como mulheres. Normalmente, ela está associada a uma queda na imunidade, uso de antibióticos, anticoncepcionais, imunossupressores e corticóides, ou mesmo à gravidez, diabetes, alergias e ao HPV. Seu diagnótico é feito pelo exame clínico ginecológico, laboratorial e pelo exame de Papanicolau.
Os sintomas mais comuns nas mulheres são coceira na vagina e no canal vaginal, corrimento branco em grumos, ardor local e ao urinar e, dor durante as relações sexuais. Já nos homens ocorrem pequenas manchas vermelhas no pênis, edema leve, lesões em forma de pontos e coceira. O tratamento é realizado via oral com antimicóticos e pomadas antifúngicas de uso local. É recomendado evitar o consumo de bebidas alcoólicas, fumar e usar roupas justas. Alimentos ricos em carboidratos de alto índice também devem ser evitados já que os fungos proliferam com esse nutriente.

Postagens mais visitadas deste blog

Professora gostosa foi expulsa da escola por deixar alunos excitados.

Os Botões de Napoleão: as 17 moléculas que mudaram a história