Folha de S.Paulo - Mercado - Gol faz voo com querosene feito de óleo de cozinha reciclado - 23/10/2013


Gol faz voo com querosene feito de óleo de cozinha reciclado

PUBLICIDADE

MARIANA BARBOSA
DE SÃO PAULO

Ouvir o texto
A Gol realizou nesta quarta-feira (23) o primeiro voo comercial com combustível alternativo no Brasil: no caso, óleo de cozinha reciclado de restaurantes da Califórnia. A mistura de até 25% de bioquerosene alternativo foi adicionada ao querosene de aviação (QAV) tradicional no voo G3 1408, que saiu de Congonhas para Brasília às 12h42.
A iniciativa é um marco no programa Plataforma Brasileira de Bioquerosene, uma iniciativa que reúne Boeing, Embraer, Gol, Amyris e outras empresas e entidades públicas com o objetivo de viabilizar uma produção em escala comercial.
Atualmente, os combustíveis de aviação alternativos custam de 350% a 400% mais caros do que o QAV normal. "Com 25% de mistura, vamos gastar o dobro do que o custo normal do voo", diz o diretor de Operações da Gol, Pedro Scorza. O litro do QAV custa R$ 2, enquanto o alternativo custa R$ 7,5.
"O voo comercial é um marco simbólico", diz o diretor de eficiência de voo da GE, Sergio Zuquim. "A expectativa é que dentro de 5 a 10 anos a gente tenha uma indústria competindo em preço com o combustível de origem fóssil."
A busca pela desenvolvimento do combustível alternativo está menos relacionada à questão do alto custo do petróleo, que impacta os balanços das companhias aéreas, e mais com a questão ambiental.
As companhias aéreas têm o compromisso de reduzir as emissões de CO2 em 50% até 2050, tendo como referência as emissões de 2005. "Se não começarmos hoje, não tem como atingir a meta", diz Scorza.
Cerca de 1.500 voos comerciais (com passageiros pagantes) foram realizados no mundo com alguma mistura de bioQAV. Nos últimos seis meses, a KLM realizou um voo por semana de Amsterdã para Nova York, também com óleo de cozinha reciclado. Mas o voo contou com o patrocínio de empresas para se viabilizar.
No Brasil, Azul e a própria Gol já fizeram voos testes, sem passageiros, durante a Rio+20, no ano passado.
A busca por um combustível menos poluente parte de um princípio básico: que ele possa ser misturado ao combustível fóssil, sem que seja preciso fazer mudanças nos motores. A ANP já regulamentou o uso de bioQAV.
O Brasil já conta com uma refinaria capaz de produzir bioQAV a partir da cana, a Amyris, em Brotas. Mas o produto ainda depende de certificação internacional, o que está previsto para acontecer até o final do ano.
COPA VERDE
Transportadora oficial da seleção brasileira na Copa, a Gol anuncia hoje o lançamento do programa Copa Verde. A meta é fazer 200 voos com bioQAV durante as cidades sedes da Copa. O volume é simbólico diante da quantidade de voos que a empresa realiza em um mês (25 mil).
Mas a ideia é chamar a atenção para a importância do desenvolvimento da indústria de querosene alternativo, além de contribuir para as metas de emissão da própria Fifa.
Para que o projeto seja viável, no entanto, vai ser preciso algum tipo de apoio -seja em redução de tributos ou patrocínio de alguma empresa parceira.
Marlene Bergamo/Folhapress
Primeiro voo comercial brasileiro com biocombustível, da Gol
Primeiro voo comercial brasileiro com biocombustível, da Gol

Postagens mais visitadas deste blog

Professora gostosa foi expulsa da escola por deixar alunos excitados.

Os Botões de Napoleão: as 17 moléculas que mudaram a história