“Bolsa anticrack” em SP custará R$ 4 milhões por mês  - Notícias - R7 São Paulo


“Bolsa anticrack” em SP custará R$ 4 milhões por mês 

Programa Cartão Recomeço foi anunciado nesta quinta-feira; 3.000 cartões serão distribuídos
Ana Ignacio, do R7
Primeiros cartões devem ser distribuídos em 60 diasWerther Santana/14.01.2012/Estadão Conteúdo
O Governo do Estado lançou oficialmente o Cartão Recomeço, programa que irá financiar a recuperação de dependentes químicos no Estado de São Paulo. Em cerimônia realizada na manhã desta quinta-feira (9), em São Paulo, o governador do Estado, Geraldo Alckmin, destacou a importância do dia. O investimento mensal no programa será de R$ 4 milhões.
— Hoje é um dia importante. Estamos dando mais um passo, um passo na direção correta para enfrentarmos esse grande desafio do mundo moderno.
Inicialmente, serão disponibilizados 3.000 cartões para 11 municípios do Estado: Diadema, Sorocaba, Campinas, Bauru, São Jose do Rio Preto, Ribeirão Preto, Presidente Prudente, São José dos Campos, Osasco, Santos e Mogi das Cruzes.
Com uma diária de R$ 45 (equivalente a R$ 1.350 mensais), o cartão irá custear a internação de dependentes em clínicas escolhidas pelo Estado por meio de edital. Os primeiros cartões serão distribuídos em 60 dias.
— O cartão não é para o dependente ou a família. O cartão é para a entidade e não é hospital, é a parte social, tão ou mais importante que a parte médica. Outro passo importante em uma questão que envolve saúde pública, segurança e recuperação das pessoas.
O governador destacou ainda a importância do posicionamento do governo nessa questão.
— Não é possível o Estado se omitir em uma situação dessas.
A coordenação do Programa será feita por um grupo gestor comandando por Ronaldo Laranjeira, referência no atendimento de dependentes químicos e professor titular do Departamento de Psiquiatria da Unifesp.
O grupo será formado por representantes das secretarias de Estado e Desenvolvimento Social, da Justiça e da Defesa da Cidadania e da Saúde.
“A recuperação tem que ser voluntária”
O secretário de Desenvolvimento Social, Rodrigo Garcia, falou da importância do programa para que haja um aumento no índice de recuperação de usuários de drogas.
— Vai ser um instrumento importante de recuperação das pessoas. O cartão cria uma nova expectativa na vida do dependente químico.
Ele destacou também que o programa foca na recuperação terapêutica e não hospitalar e que essa vontade de reinserção social deve partir da cada usuário de drogas.
— A recuperação tem que ser voluntária.
O edital para o credenciamento das entidades que trabalharão em parceria com o programa será lançado na próxima semana. O secretário de Desenvolvimento Social, Rodrigo Garcia, explicou que as entidades interessadas devem cumprir alguns pré-requisitos como protocolo de serviços a serem prestados, estrutura de recursos humanos, assistentes sociais, psicólogos, oficineiros, instalações adequadas e serão fiscalizados pelo Estado.
Cracolândia
Fora dessa primeira fase do programa, o secretario Rodrigo Garcia destacou que a capital paulista já possui seu próprio sistema de atendimento e tratamento ao dependente químico. Ronaldo Laranjeira declarou, no entanto, que a questão da Cracolâncidia é mais complexa.
— A região é a que tem mais possibilidade de assistência, mais de 240 vagas. O problema é como retirar essas pessoas da rua. Se todo mundo quisesse sair a gente conseguiria [tratar]. Vamos precisar de outras estratégias para acabar com a Cracolândia, infelizmente.

Postagens mais visitadas deste blog

Professora gostosa foi expulsa da escola por deixar alunos excitados.

Os Botões de Napoleão: as 17 moléculas que mudaram a história