12. Super-memória - Superinteressante


Mutantes

12. Super-memória

Jill Price lembra de tudo o que aconteceu desde 1980, de fatos históricos ao almoço de domingo

por Tiago Cordeiro
Superpoder: Nunca esquecer de nada 

Utilidade: De encontrar as chaves do carro a lembrar de uma antiga briga. 
Frequência: Rara 




Foi aos 12 anos que a americana Jill Price percebeu que lembrava de rigorosamente tudo o que tinha acontecido naquele ano. Não eram memórias só do aniversário, do Natal ou das férias, mas de detalhes, inclusive como a data exata em que isso aconteceu - 30 de maio de 1978. "Sempre tive uma boa memória. Minha primeira lembrança é de quando eu tinha um ano e meio e estava no berço", diz. Foi perto dos 20 anos que Jill passou a achar que lembrar de tudo - de notícias importantes a qualquer bobagem do dia a dia - era um fardo pesado demais. Mas aos 34 anos decidiu procurar ajuda, porque, segundo ela mesma, a memória estava controlando a sua vida - a americana sabia detalhes de todos os dias desde 1980. E foi fácil checar a veracidade da supermemória: em jornais da época e nos diários que Jill escrevia desde criança. 



Foi procurando no Google (no dia 5 de março de 2000) pela palavra "memória" que a mulher que nunca esquece encontrou o cientista James Gaugh, da Universidade da Califórnia. O cientista e sua equipe resolveram se dedicar ao caso e desvendar a chave da memória de elefante de Jill. Embora não saibam explicar com certeza como acontece esse processo, que chamaram de síndrome hipertiméstica (do grego "se lembrar"), elaboraram algumas hipóteses. A partir de exames, descobriram que vinte áreas do cérebro da americana são maiores que a média, inclusive o córtex pré-frontal, responsável pela memória de longo prazo. Também foi constatada uma lateralização anômala, na prática uma mistura na divisão de tarefas entre os hemisférios esquerdo e direito do cérebro - uma característica ligada ao autismo, doença que Jill não tem. 



Embora pareça um dom e tanto lembrar-se de tudo, a americana, que tem depressão, avisa que não é tão bom assim. Mas torce que ao investigar o funcionamento da supermemória ajude outras pessoas. "Espero que encontrem a cura para doenças que levam as pessoas a perderem não só a memória, mas parte de suas vidas", diz.




Rotina de treino 



Você pode não conseguir lembrar de como foi o dia que sua mãe o amamentou pela primeira vez, mas mesmo humanos absolutamente normais podem desenvolver uma memória digna de Guiness Book. Um exemplo é Alberto Dell'Isola. Pergunte a ele que dia da semana foi 7 de fevereiro de 1812. Ele vai precisar de poucos segundos para responder: sexta-feira. O mesmo vale para qualquer data dos calendários gregoriano ou juliano, desde o século 1 até o século 30. Alberto também é capaz de memorizar uma sequência de 289 cartas de baralho em uma hora, o recorde sul-americano, e repetir o texto completo de uma revista de 128 páginas. Já se mostrou capaz de gravar rapidamente nomes e fisionomias de 20 pessoas que nunca tinha visto. E diz que tudo isso é resultado de muito treino, exclusivamente. "Eu tinha a pior memória do mundo. Era o cara mais esquecido da faculdade", ele afirma. "Antes de treinar, eu frequentemente me esquecia de coisas triviais, como o local onde havia estacionado o meu carro e o nome das pessoas com as quais trabalhava." Isso acabou em 2005, quando Alberto tinha 25 anos. 



Nascido em Belo Horizonte, em 12 de janeiro de 1980 (um sábado, ele diz), era professor de matemática e programador de computadores. Na adolescência, aprendeu com um grupo de amigos a hackear o banco de dados de provedores de internet - ele vendia aos colegas de escola o acesso gratuito por R$ 15 e aplicava tudo em cartuchos de videogame. Mas foi só na faculdade de computação, quando fazia uma pesquisa para um trabalho sobre memórias de máquinas, que ele percebeu que queria ser atleta da mente. 



Como Jill (lembra?), Alberto pesquisou "memory" no Google e encontrou um vídeo em que o campeão mundial de memória Dominic O'Brien demorava menos de um minuto para memorizar a sequência de cartas de um baralho inteiro. Ficou impressionado e decidiu que também conseguiria. "Comecei a testar vários métodos de memorização, li muitos livros sobre o assunto e acabei desenvolvendo os métodos que uso hoje." 



Nesse meio tempo, resolveu mudar de área e passou a cursar psicologia na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Formado, tornou-se membro do Laboratório de Avaliação das Diferenças Individuais da instituição. Em 2009, venceu o Campeonato Brasileiro de Memorização. Desde então, já publicou três livros sobre técnicas para melhorar a capacidade de memorizar. 



Alberto tem um QI 145, considerado acima da média. Só isso explica sua capacidade? Não. "A preparação constante ajuda muito, mas a pessoa precisa ter uma característica inata. A inteligência, a capacidade de realizar sinapses cerebrais com velocidade, ajuda bastante", diz o psicólogo K. Anders Ericsson, professor da Universidade da Flórida. "Mas a verdade é que não sabemos exatamente que fatores influenciam a capacidade de memorizar, a não ser em casos de formação diferente do cérebro." Como no caso de Jill. 



Para manter o ritmo, Alberto treina muito. Antes de dormir, memoriza ao menos 200 números aleatórios - nas vésperas de competições, acelera o ritmo e decora 8 baralhos todas as noites. 



O psicólogo diz que cada desafio exige um tipo diferente de preparação mental. Para assuntos que não domina nem gosta, como história, Alberto tenta criar relações emocionais com o evento. "Se eu lhe perguntar o que você estava fazendo quando soube da morte do Ayrton Senna ou da queda das Torres Gêmeas, você provavelmente irá se lembrar", afirma.




Para não esquecer 
Quer dar uma boa melhorada na sua memória? O psicólogo Alberto Dell'Isola dá algumas dicas 


Nome e fisionomia 
Se você conhece alguém próximo com o mesmo nome, imagine essas duas pessoas interagindo. Mas, se não conhece ninguém com o mesmo nome, relacione a primeira sílaba com um objeto inusitado - para "Renato", por exemplo, imagine-se dando a ele um remo. 


Lista de supermercado 
Aqui vale a técnica do Palácio da Memória, usada na Grécia antiga. Imagine uma casa em que cada cômodo esteja cheio de produtos que você precisa comprar e liste cada um deles de uma forma inesperada: a cama, por exemplo, pode estar coberta de ovos quebrados. Outra técnica útil é decorar a quantidade de itens para cada categoria (carnes, frutas, produtos de limpeza etc.). Nada disso funcionou? Então memorize frases absurdas usando os produtos que precisa comprar. Por exemplo: "Fui fritar um bife, mas coloquei um ovo na frigideira, só que a panela caiu em cima do sabão e tive que comer tomate". Quanto mais sem sentido, mais difícil de esquecer.



Conteúdo para vestibulares e concursos 
Anote fórmulas matemáticas, por exemplo, em diferentes cartões de visita. Deixe-os no bolso e, ao longo do dia, volte a olhar para eles sempre que possível. Só não se esqueça de tirar os cartões na hora de lavar a roupa... 



Caminho 
Se o taxista que você consultou indicou uma sequência interminável de "vire à direita" e "vire à esquerda , converta a instrução em números do relógio, tipo: 9-3-12-3-9 (esquerda, direita, siga em frente, direita, esquerda). 



Senha 
O importante é criar padrões. Se for com letra, como as exigidas por alguns bancos, crie frases com as iniciais. Para senhas numéricas, faça uma frase memorável, e de preferência esquisita, com palavras com o mesmo número de letras da sílaba. "Um fantasma caiu à minha frente", por exemplo, pode fazer lembrar da senha 294166. 



Remédio 
Quem precisa tomar um medicamento todos os dias, para o resto da vida, dificilmente esquece. Mas, se você fez uma cirurgia e precisa de um remédio 3 vezes diariamente, apenas por algumas semanas, melhor relacionar os horários a algum hábito cotidiano - antes das refeições, por exemplo, ou na hora de dormir. 



Número de telefone 
Escreva-o ou repita em voz alta. Outra alternativa é memorizar a imagem que os números formam juntos, como um X, um quadrado etc.



Postagens mais visitadas deste blog

Professora gostosa foi expulsa da escola por deixar alunos excitados.