Postagens

Mostrando postagens de Agosto 17, 2012

Folha de S.Paulo - Painel do Leitor - Leitor critica 'política da não reprovação' em escolas públicas - 17/08/2012

Imagem
Folha de S.Paulo - Painel do Leitor - Leitor critica 'política da não reprovação' em escolas públicas - 17/08/2012

Leitor critica 'política da não reprovação' em escolas públicas LEITOR ANTONIO VADECIR SCHMIDT DE SÃO PAULO (SP) O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, disse que vai reduzir as disciplinas no ensino médio para um melhor aprendizado dos alunos e, consequentemente, uma melhor posição do Brasil no ranking da educação. Eu digo ao senhor ministro que a falta de desempenho dos alunos nas escolas públicas está na política da não reprovação. Como querem melhorar esse desempenho se não se exige o mínimo esforço do aluno? Não muito tempo atrás, para ingressar no antigo curso ginasial, era preciso se submeter a um exame, e só era admitido o aluno que conseguisse nota de no mínimo 5,1 pontos (na escala de 1 a 10). Hoje, o aluno não precisa estudar, é só frequentar as aulas e no fim do ano é aprovado. Onde está o merecimento do esforço dos estudantes? Por que as e…

Bernard Charlot: "O conflito nasce quando o professor não ensina" | Gestão da aprendizagem | Nova Escola

Imagem
Uma ex-aluno me mandou o link para essa reportagem, que agora divido com os amigos e alunos. Valeu Thiago! Bernard Charlot: "O conflito nasce quando o professor não ensina" | Gestão da aprendizagem | Nova Escola
Bernard Charlot: "O conflito nasce quando o professor não ensina" Pesquisador francês afirma que, quando faltam reflexão no saber e prazer e aventura em classe, a escola perde o sentido originalCristiane Marangon (novaescola@atleitor.com.br)Roberta Bencini Compartilhe
Envie por emailImprima Bernard Charlot
"Há duas línguas diferentes sendo faladas na escola: a dos professores e a dos alunos." Para Bernard Charlot, professor de Ciências da Educação da Universidade de Paris 8 e da pós-graduação da Universidade Federal de Sergipe, essa tensão existe porque os dois lados desconhecem o prazer do saber. Sem dramatizar os conflitos nem apresentar vítimas e culpados - o que seria muito simplório para uma questão tão profunda -, o pesquisador passou quase 20…