iBahia - Conheça pessoas que tiram ideias do papel e agem pelo bem coletivo em Salvador


Uma crítica que sempre fiz aqui em Salvador, é que o baiano tem mania de dizer que ama a sua terra, que á lugar mais belo do mundo e tudo o mais... mas é pouco comum ver as pessoas cuidando de suas casas, varrendo a porta, cuidando de suas calçadas..., das plantas da porta, se as tiver. Não vejo essa atitude por parte do baiano, que suja sem temer represália, até porque ela não vem. Há poucos minutos vi uma se hora com seu cãozinho à coleira. O caozinho, defecou sobre uma calçada, e ela foi embora feliz da vida com animal. Simples assim. Quem quiser, que vá lá e tire a sujeira do cão... que ela ama, que é tudo para ela, assim como a cidade que ela ama, que é tudo para ela... Ou seja, se as pessoas tratam dessa forma o que amam, como poderão tratar do que lhes é insuportável? Veja uma reportagem que achei sobre o assunto e que vale a pena a gente repassar e se espelhar.
Em tempo: os que mais falam que amam a Bahia, que a Bahia tem tudo de bom, que aqui é a antessala do céu, e etc, não moram aqui. Visitam-na, com frequência, mas seus endereços estão em outros Estados da federação. Salvo poucas exceções, que não estão, mais por uma questão econômica do que de identificação.

Publicada em 10/09/2012 às 08h51. Atualizada em 10/09/2012 às 08h57

Conheça pessoas que tiram ideias do papel e agem pelo bem coletivo em Salvador



Cansado de esperar pela prefeitura, sindicatos e cidadãos soteropolitanos decidiram resolver o problema da falta de infraestrutura da cidade




Luana Ribeiro
(luana.ribeiro@redebahia.com.br)
publicidade
A receita do concreto é simples: cimento, gravilhão, areia e água. O pedreiro Edson Amorim, 54 anos, explica que o trabalho também não é complicado: “Primeiro nivela com a ripa. Aí é só aplicar o concreto”. Se tudo é tão fácil, por que o serviço não foi feito antes?


Edson foi contratado semana passada pelo Sindicato dos Comerciários de Salvador para pavimentar o ponto de ônibus da frente do Shopping Paralela, sentido Rodoviária. Cansado de esperar pela prefeitura, o sindicato decidiu resolver o problema. “Já caí duas vezes aqui, quando chove fica uma lameira”, conta a vendedora Áurea Andrade, 33, vítima do ponto que até semana passada não tinha calçamento.



Sindicalizada, Áurea ficou de olho na obra. “Tem que fiscalizar, saber para onde vai o dinheiro da gente”, afirma. No entanto, quando o assunto são os impostos, tudo muda: “É difícil saber como é gasto o dinheiro”, diz Áurea.
Segundo o presidente do sindicato, Jailson Dourado, a pavimentação custou cerca de R$ 2 mil, retirados das anuidades. “Não é caro. Já enviamos à Setin duas solicitações de pavimentação e não tivemos resposta”, reclama.



Procurada, a Secretaria Municipal de Transporte e Infraestrutura (Setin) não conseguiu confirmar o recebimento dos pedidos, mas informou que eles são repassados à Transalvador. O CORREIO tentou contato com o órgão durante toda a quinta-feira, mas não obteve resposta.



Já a assessoria da Superintendência de Conservação e Obras Públicas (Sucop), responsável pela pavimentação das ruas e passeios públicos,  informou que uma equipe vai averiguar se o passeio está uma área da prefeitura. O dia da visita não foi informado. 

Paisagismo
Entretanto, nem só de concreto vive quem não espera as coisas acontecerem. Um exemplo é o Projeto Canteiros Coletivos. “A ideia surgiu em um fórum na internet sobre os problemas da cidade. Levantei essa bola com uma amiga, um daqueles pensamentos solitários que a gente tem”, conta a jornalista Débora Didonê.



De amigo em amigo, virtuais ou não, em fevereiro deste ano um grupo de 25 pessoas passou a cuidar do “canteiro piloto”, na avenida Reitor Miguel Calmon - Vale do Canela. Ali, o espaço é limpo, recebe plantio e jardinagem.



A iniciativa já chegou a mais três canteiros, entre eles o do Solar Boa Vista, em Brotas, e o do Gantois, na Federação. “Procuramos parcerias com instituições que reúnam moradores para fazer a manutenção”, explica Débora. No dia 15, será inaugurado um canteiro em Valéria, feito junto com a ONG Estrela da Paz.  



Ideias
No dia 22, Débora fará uma palestra sobre o Canteiros Criativos na segunda edição do TEDx Pelourinho, evento organizado nos moldes da Conferência TED, que ocorre há 24 anos na Califórnia e reúne ativistas do mundo todo para divulgar “ideias que merecem ser espalhadas”.



Uma ideia que merece ser espalhada é a da professora de História Adriana Dumas, que cuida da Praça Pau Brasil, na rua Frederico Edelweiss, Rio Vermelho. “Gosto da energia da praça, já vivi bons momentos sozinha ou com amigos”.



Quando ficou desempregada, encontrou tempo para cuidar do seu “cantinho”. Nisso, se deparava com um problema constante. “Os donos de cães me davam trabalho. Já ouvi como argumento pra não limparem que cocô de cachorro serve de adubo”.



Adriana sabe que o trabalho tem que ser contínuo. “Quando você vê, já sujaram de novo”. Durante todo o ano passado, quando atuou mais frequentemente na praça, ouviu perguntas sobre o motivo de sua dedicação. Mesmo sabendo dos deveres do poder público, ela respondia: “Eu sou o poder público também”.

Postagens mais visitadas deste blog

Professora gostosa foi expulsa da escola por deixar alunos excitados.