Folha de S.Paulo - Cotidiano - Governo da Bahia promove "aulão" que tem até show de reggae - 28/06/2012

Folha de S.Paulo - Cotidiano - Governo da Bahia promove "aulão" que tem até show de reggae - 28/06/2012


Governo da Bahia promove "aulão" que tem até show de reggae

PUBLICIDADE
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA, DE SALVADOR

Com show de reggae nos intervalos e 400 alunos em sala, o governo da Bahia promoveu ontem o primeiro "Aulão Enem", uma tentativa de amenizar os efeitos da greve de professores da rede estadual, que já dura 79 dias.
A primeira edição da aula-show reuniu professores que, sobre um palco, falaram sobre crise no Oriente Médio e impactos do narcotráfico no Brasil, entre outros assuntos.
Os "aulões" fazem parte do pacote de medidas do governo voltado a alunos do terceiro ano do ensino médio.
O conceito é simples: muitos alunos na plateia, professores revezando o microfone e, nos intervalos, música. "É um espetáculo. Diferente do que teríamos na sala, com o professor próximo da turma", diz Jadson Almeida, 20, que quer cursar enfermagem.
Larissa Lima, 16, gostou da iniciativa por poder relembrar alguns temas. Mas, para ela, o "aulão" busca disfarçar o impasse da greve. "Deveríamos ter aulas normais e 'aulões' como complemento."
Estão previstos 384 "aulões" em Salvador e no interior do Estado. Para organizá-los, o governo assinou contrato emergencial (sem licitação) de R$ 1,5 milhão com a empresa Abais Conteúdos Educativos & Produção Cultural Ltda.
O professor Jorge Portugal, conhecido na Bahia por seus programas educativos na TV, está à frente da empreitada, como consultor da Abais.
A empresa fechou outro contrato com o governo, de R$ 1,9 milhão, para fazer 175 programas de TV com temas do Enem e de vestibulares.
"Temos produção de data-show, transporte, equipes que precisam ir ao interior e professores de ponta, que ganham mais do que os da rede estadual", disse Portugal, justificando o investimento.
Para a professora da UFBA (Universidade Federal da Bahia) Sandra Marinho, os gastos são discrepantes em relação ao ensino público.
"Temos escolas em situação precária, com acervos de bibliotecas ameaçados. É a mercantilização da educação e a desqualificação dos profissionais da rede pública."
Em nota, o governo disse que a Abais foi contratada pela "capacidade técnica, pedagógica e de infraestrutura" e que 200 mil alunos serão beneficiados. Ontem, cerca de 60 professores protestaram em frente à escola durante o "aulão".

Postagens mais visitadas deste blog

Professora gostosa foi expulsa da escola por deixar alunos excitados.