DIA DO PROFESSOR - BELÍSSIMA CANÇÃO - ERGA O SOM!


Nada contra a música... ao contrário agradeço pela constatação óbvia.
Pena que no cotidiana, não se observa tal percepção. No contracheque que recebemos, na forma como somos tratados em sala-de-aula, na forma como os pais dos alunos falam de nós e do nosso trabalho, no desrespeito dos diretores escolares, dos secretários de educação, dos governadores...
Lastimo, hoje, ter escolhido ser professor. Há aqueles que o são por puro acaso, por mera coincidência. Porque não foram fazer outra coisa na vida. Eu, escolhi sê-lo. Tenho vocação para se-lo. Mas tenho amor próprio. Hoje, por exemplo, é domingo, fui dormir ontem por volta das 03:00h (lembrando que já estamos em horário de verão por aqui também), e que estava preparando um novo blog para acomodar de forma correta as minhas atividades e projetos com meus alunos, porque os outros dois que tenho estão muito sobrecarregados de informações. Parecem uma Babel eletrônica.
Tenho duas pilhas de provas para corrigir, notas para somar, avaliação de segunda chamada para fazer, avaliação da 4ª unidade para preparar, aula para preparar para amanhã a tarde (que é o dia de minha folga) e noite, ver dois filmes para apresentar na escola... tudo isso para amanhã. Nada disso aparece no meu contracheque. E dizem que sou despreparado, mas não me dão condições de me preparar adequadamente. Estou jogando a toalha. Estou desistindo da minha vocação. Vocação burra. Tola. Não me alimenta corretamente, não me dá esperanças, não me alegra. Me deixa triste, porque queria comprar um boneco do Patati-Patatá para minha filha, mas meu salário não me permiti. Estou com o aluguel de casa em atraso, as prestações do carro nem preciso falar... a manutenção dele está em atraso, o IPVA já está na dívida pública... enfim. Meu salário não me permite cuidar de mim e dos meus. Não satisfaz minhas necessidades e dos meus. Mas eu pago imposto de renda todo ano... e caro. Sonei essa noite com meu irmão. Ele é Juiz. No sonho, ele jogava na minha cara a minha incapacidade financeira, comparada com a dele.
A cada três anos ele troca de veículo, tem uma casa própria, sustenta meus pais. É viajado, está fazendo um curso de inglês. Logo, logo, vai fazer um mestrado, se não estiver já fazendo...
Eu... preciso trabalhar 16 meses para receber de forma bruta, o que ele, em um único mes recebe líquido.
Há algo errado nisso. Essa percepção está em falha. Música muito bonita... realidade cruel.
Falamos em resolver problemas sociais, melhorar a renda do brasileiro, melhorar a saúde, a alimentação do brasileiro, diminuir os índices de violência, as dificuldades no transito... e queremos fazer isso tudo sem investir na educação. E como faze-lo sem melhorar a renda do professor? Falácia. Mentira! Ou se investe na renda do profissional de educação e no seu respeito próprio, ou de resto é tudo mentira. Conversa apenas. E de conversa, estamos cansados.
Sou professor, escolhi sê-lo. Fiz a escolha ruim.

Postagens mais visitadas deste blog

Professora gostosa foi expulsa da escola por deixar alunos excitados.